De manhã cedo

Devia ter uns dez anos. Encontrei-o parado de pé na cozinha, como se me esperasse. Segurei seu braço:
― Posso te beijar, se quiser?
Ele apenas sorriu.
― Consegue falar como adulto?
Respondeu com uma frase engraçada, imitando um sotaque português. Prossegui com o interrogatório:
― Você é uma figura de sonho?
Com esta pergunta, desapareceu. Procurei-o na escuridão da sala de estar e logo escutei o sussurro:
― Fale mais baixo.
Ressurgiu como um grande vulto disforme e me atraiu para o corredor. Quando voltou a falar, estávamos os dois deitados no chão. Era um recém-nascido.
― Eu sou ― as últimas palavras, balbuciou lentamente, como se eu as colocasse em sua boca ― um cordeiro de deus.
― Mas o que é um cordeiro de deus?
Ele falava, mas não tinha cabeça e nem cicatrizes no pescoço fino de bebê:
― É um imortal na areia.

Não é a primeira vez que ponho um personagem de sonho contra a parede, e ele, como se despertado de um transe, me responde num tom religioso.

Anúncios
Padrão

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s