1309

O Infinito assumiu-se
Como um súbito Hóspede ―
Mas como pode chegar tão sublime
O que nunca se foi embora?

DICKINSON, Emily. Poemas e Cartas. Trad. Nuno Júdice. Lisboa: Livros Cotovia, 2000.

Anúncios
Padrão

A garota do pára-brisa

“Aqui não se morre” ― pensou sem pensar, num dialeto primitivo do corpo, enquanto empurrava a porta de vidro da loja de conveniências. Ao primeiro passo, suas pupilas encolheram-se em protesto à luz branca do sistema de iluminação. Num movimento quase imperceptível, espremeu a carteira do bolso e rumou em direção ao caixa eletrônico, suas mãos concentradas num procedimento automático de localização e resgate de objetos. Com o cartão plástico firme entre os dedos, conquistou com alguns toques a confiança da máquina e recolheu quatro cédulas lisas de dez pela fenda. Dobrou-as com uma das mãos enquanto a outra puxava a porta do refrigerador para além do seu corpo. Escorou-a com o ombro e reconheceu as letras cursivas na lata vermelha, os pelos da nuca eriçados de frio.

Gostava de dirigir à noite, a cidade deserta lhe parecia mais compreensível. Na entrada de um longo túnel, não conteve o grito: um corpo de mulher desabou com estrondo no pára-brisa. Com a visão bloqueada, orientava-se pela janela, os longos cabelos da morta de encontro ao seu rosto. Como o túnel e sua luz amarela nunca chegassem ao fim, em estado de choque lembrou-se do rádio. Apertou cinco botões numa seqüência memorizada e chegou à estação preferida, na esperança de um resgate impossível por um refrão de sucesso qualquer. No braço desconjuntado da moça, estirado por trás da cabeça em posição estratégica, detectou a cadência firme dos segundos num ponteiro finíssimo de relógio e concentrou sua vista naquele pequeno artefato, tão vivo quanto familiar. À contagem de trinta e sete, saiu finalmente do túnel, virou à direita e parou na contramão de uma rua estreita, deserta. Apertou o botão vermelho do cinto de segurança e respirou fundo. No ar, um perfume doce de xampu.

De pé no asfalto, espremeu do bolso um telefone e deu quatro toques no teclado. Escorou o aparelho com o ombro e caminhou em direção à mulher, o sinal de chamada insistente no ouvido. No rádio, um locutor de voz mansa recapitulava as últimas músicas da programação. Chegou bem perto, fitou-lhe os cabelos pretos, o filete de sangue entre o nariz e a boca, e deteve-se nos olhos cerrados. Longe de mortos, mais pareciam voltados para a vastidão de um mundo interior. Ao tocar-lhe a face com as costas da mão, arrepiou-se com a voz de mulher: “central de polícia”. Deixou cair o telefone no instante em que o cadáver se iluminou. Ao olhar para trás, suas pupilas encolheram, ofuscadas pela luz do automóvel em alta velocidade.

Padrão

Musiquarium

O peixinho, como que desistindo de tudo, deu uma sacudida de peixe diante das profundezas e meteu-se num estado inesperado de prontidão. De tão permeável, foi atravessado por delicados reflexos azuis naquele mundo de água escura.

Padrão

Locomoção

Fim de tarde, lua em quarto crescente. Numa manobra cirúrgica, o motorista estaciona de ré entre duas motos e desliga a ignição:
― Obrigado, meu carrinho, por me trazer tão depressa para casa.
E o carro num transe, agora de porta aberta, a tudo conectado por uma espécie de loucura neutra.

Padrão